Personagem

Foto by Sergio Fleury

Kaiser Takatakatá, sotaque arrastado e cara de holandês, nasceu em Brusque (SC)

Ele é filho de pai alemão e mãe italiana, tem cara de estrangeiro, voz rouca e sotaque arrastado, mas é catarinense com fluência no holandês aprendido nos anos em que viajou os sete mares em navios onde foi de cozinheiro a comissário de bordo. Um dia veio montar a cozinha de uma pousada em Búzios, chegou, gostou, foi cozinheiro em diversos restaurantes famosos. Conhecido por Kaiser, só abre seu folclórico bar após meia-noite e recebe os fregueses no balcão com seu grito de takatakatá.

O nome verdadeiro não é nada complicado como se imagina, mas o brasileiríssimo Álvaro César Serafim. Nascido em Brusque (SC) no dia de Yemanjá ( 2 de fevereiro de 1951), foi sempre muito irrequieto quando criança e, por isso mesmo, seu pai Sebastian e a mãe Anna de Lucca deram autorização para que, aos 14 anos de idade viajasse sozinho para Amsterdam, na Holanda, para cursar uma escola de culinária, sua grande paixão desde criança.

- Mas só a autorização dos pais não bastou e como "di menor" tive de conseguir, também, a da Rainha da Holanda e a do capitão do navio holandês "Kènnemerland" no qual viajei sozinho. Trabalhei na fábrica de alimentos "Nautillus", que mantinha a escolinha de culinária e, depois, parti para o mundo como cozinheiro de navios holandeses, carga ou passageiros, como o "Rainha Juliana" que hoje, certamente, já virou sucata. - imagina.

Em 13 anos de mar ganhou o apelido de Kaiser pelo seu porte holandês e depois, o de takatakatá, pelo seu grito de guerra recolhido numa piada africana que indagava: sabe qual o cúmulo do barulho? É o som takatakatá de um casal de esqueletos fazendo sexo no telhado de zinco. Aliás, esta cena insólita está desenhada nas laterais do seu bugre vermelho (tem o bull-terrier "Dino" de co-piloto) e o inusitado apelido está escrito na capa do estepe do veículo e no letreiro do seu bar (tem um osso de baleia na porta) localizado na badalada Rua das Pedras.

Placa do bar

Ao voltar ao Brasil, já com 27 anos, Kaiser conheceu no avião uma cocota de Ipanema de nome Maria Salete por quem se apaixonou e se casou: - tivemos dois filhos, a Michelle, fisioterapeuta de 23 anos e o Álvaro César, de 21, que é jogador de futebol do time do Madeirense, da cidade de Funchal, na Ilha da Madeira (Portugal). Mas o casamento durou só até 1983.

Irrequieto como sempre, aos 33 anos, aceitou convite para conhecer Búzios e montar um restaurante na pousada Vila do Mar, no centro: - foi o primeiro de uma série de nove em que administrei a cozinha, como o Captain's (na ponta da Armação) onde usava temperos de minha horta; o folclórico "La Nuance", onde tinha orgasmos gastronômicos preparando as carnes na grelha; as quatro churrasqueiras que pilotei à beira mar na pousada Bauen (praia de Caravelas); isso sem falar na agitadíssima boite "Marruelle" da minha invejosa amiga Michelle - lembra.

Com a máxima "a alma de um prato é o molho e a essência é a salsa", Kaiser serve comidas e drinks incrementados para a jovem galera do seu bar decorado com milhares de bilhetes. Como show, rock pauleira em sua voz sexyrouca e o manejo de um facão com o qual batuca no bujão de um lampião a gás que fica no balcão. O final é imperdível: seu grito de guerra takatakatá.

Vá lá e divirta-se!

Interior do bar !!!