DICA

O argentino-buziano Pachu

No La Coloniale você se diverte com o footing e ainda degusta as delícias do Pachu

Se você for uma pessoa observadora e quiser se divertir com a fauna dos personagens das mais diferentes linhagens que desfilam no footing noturno na badalada Rua das Pedras não hesite: procure o restaurante/bar La Coloniale, sente-se em mesa na beira da calçada, peça um chope aos garçons Daniel ou Luiz e passe horas agradáveis curtindo a babel das modas & costumes.

Ao mesmo tempo em que curte o vai-e-vem-da-rua-onde- ninguém-come-ninguém, peça ao casal Pachu & Andréa, donos do pedaço e atentos no balcão, sugestões para o tira-gosto (salsichão alemão ao molho de curry com batata roestï) ou para uma deliciosa refeição que pode ser uma bella pasta (massa) ou a bem temperada carne importada.

E saiba: você está no restaurante/bar do Pachu, ou melhor, do Gustavo Pedro Manestar, um argentino de 38 anos nascido em Mal Del Plata, filho de pai Croata que fez a vida profissional no balneário mais famoso da Argentina como crupiê do cassino onde se aposentou como gerente.

Universitário de Biologia Marinha e, depois, químico de alimentos que fazia controle do pescado do porto local, Pachu (apelido foi dado quando criança por uma vizinha), trabalhou também como despachante de aeroporto, armador de cadeiras e guarda-sóis da praia espanhola de Ibiza até chegar a Búzios, diretamente do aeroporto para um ônibus poeirento da Viação Salineira.

E aqui foi ficando, primeiro no bar Capitania (onde hoje é o Satirycon), depois na Pizzaria 392 (onde hoje é o Skipper) e no Einsbar (ao lado do Chez Michou), onde começou como sorveteiro e acabou na grelha de carne. Em 1993, abriu o seu restaurante Bavária (shopping Number 1) onde servia um inesquecível bradkattoff (pequenos pedaços de batata corada com bacon) e que era feito por ele mesmo, já que se tornou exímio cozinheiro.

Casado com a paulista-buziana Andréa desde 1994 e pai de Felipe, o argentino-buziano Pachu tem clientela certa no seu restaurante/bar La Coloniale, onde além de se apreciar o footing da rua se pode treinar o ouvido nos idiomas inglês, francês e alemão, além da "língua nativa" de Búzios, isto é, o castelhano.

A propósito: welcome, bienvenu, willkommen, bienvenido!