Povo
* Dona Chica * Seu Rafael * Gabriel e Nomária * Pedro Grande *


"Para que servem óculos se enxergo até o buraco de agulha?
(Dona Eva, 88 anos de idade)

Eva costurava sem óculos!


Nascida e criada na Fazenda Santo Inácio de Campos Novos, Eva Maria da Conceição Oliveira, 88 anos, é neta de escravos e sempre trabalhou na lavoura. Filha de Leonel e Antonina, também nascidos na fazenda, ouvia sua mãe contar que desde pequena era carregada nas costas pela avó que passava o dia roçando, no sol e na chuva.

- Eu também quando criança ajudava meus pais na lavoura do "Seu Honold alemão", primeiro em troca de salário e, depois, em terra arrendada por quatro dias de trabalho por mês.

Dona Eva gostava de Seu Honold, mas como todos os remanescentes da Campos Novos, detestava o Seu Marquês que o sucedeu na administração da fazenda: - ele era muito malvado, mandava matar quem o enfrentasse, quis expulsar todos os que arrendavam terra e soltava o gado nos roçados dos lavradores para destruir tudo. Isso depois dos 18 anos de posse dessa terra arrendada - conta revoltada.

Maldade era o que não faltava lá pelas bandas da Campos Novos: - também a Dona Terezinha Gonçalves casada com o português João Melo, o fazendeiro anterior ao Seu Honold, era muito má. Sob suas ordens os capatazes colocavam bosta de gado nos poços d'água para nos expulsar da terra. Isso sem falar no filho dela, Seu Antônio Elesbão, que espancava o pessoal - lembra Dona Eva.

Mas nem tudo era tristeza na fazenda e Eva se lembra, como boa recordação, das festas no dia de Santo Inácio, o padroeiro da fazenda, quando era servida aos empregados muita comida e bebida e se dançava ao som das sanfonas. Nesse dia "a gente se esquecia que era explorado o ano todo".

Baixinha, cabelo grisalho, olhar muito vivo e um riso frouxo e simpático, Dona Eva mora com filhos e netos numa casa confortável da Rasa, bairro que passou a reunir remanescentes da Campos Novos que contaram aos seus descendentes histórias de escravidão e resistência dos quilombos da região.

Nascida a 23 de dezembro de 1913 casou-se na roça aos 17 anos com Adauto Oliveira com quem teve 12 filhos, alguns morando hoje em dia em casas vizinhas.

Apesar da idade avançada, Dona Eva passa o dia costurando para a família: - para que servem óculos, meu filho, se enxergo muito bem até o buraco da agulha?

 

Povo

Um dia ainda vai ser professora porque não gosta de faltar às aulas

Seu Rafael, pescador que nunca aprendeu a nadar, viu submarino alemão e muitas baleias

Gabriel e Nomária, sobreviventes de uma escravidão miserável

Pedro Grande aprendeu as letras na areia da praia